Ritidoplastia

Ritidoplastia – cirurgia para rugas faciais

Quantos anos irei rejuvenescer?

Não é possível, através da cirurgia, transformar uma face de 40 anos em outra de 20. Apesar disto parecer óbvio, fazemos questão de frisá-lo, pois certas informações errôneas são transmitidas por leigos, fazendo alguns pacientes acreditarem na possibilidade de se fazer “o relógio do tempo” ser retardado conforme sua vontade. Podemos confidenciar-lhe que nenhum cirurgião plástico logrará este intento.

Como ficarão as cicatrizes?

A cirurgia plástica visa melhorar o aspecto da flacidez, rugas, sulcos, etc., dando assim um rejuvenescimento à face. As cicatrizes, entretanto, serão permanentes, apesar de irem se tornando cada vez menos visíveis com o decorrer do tempo. E estarem bastante escondidadas de forma que não apareçam. Enquanto isto não ocorre, recursos cosméticos como a maquiagem e penteados adequados disfarçam perfeitamente o inconveniente criado pelas cicatrizes recentes. Além disso, cada paciente comporta-se diferentemente de outro, em relação à evolução das cicatrizes, podendo, mesmo, em certos casos, tornar-se praticamente invisível o seu vestígio.

Quanto tempo dura o resultado?

O resultado é definitivo, no entanto, não retarda o processo de envelhecimento, assim sendo, supondo que se ganhe 10 anos numa cirurgia a paciente que hoje têm 50 anos e que ficou com um resultado de 40 quando tiver 60 anos terá uma aparência de 50 anos.

Há risco nesta cirurgia?

Raramente a cirurgia de rejuvenescimento determina sérias complicações. Entretanto, sendo um procedimento cirúrgico, ocasionalmente poderão ocorrer imprevistos na evolução. Felizmente, isto geralmente é passível de correções posteriores, mediante “retoques” permitindo-nos obter o resultado almejado. Não existe qualquer obrigatoriedade do cirurgião em intervir posteriormente (retoques, correções ou complementações).

Há dor após a cirurgia?

Não. A evolução da cirurgia é praticamente indolor. Raramente um caso apresenta discreta dor, que poderá ser perfeitamente tratada com analgésico comum.

Como é a evolução após a cirurgia?

Você não deve se esquecer que, até que se consiga atingir o resultado almejado, diversas fases evolutivas são características deste tipo de cirurgia. Assim é que edemas (inchaço), manchas roxas (equimoses), alteração da sensibilidade de algumas áreas, são comuns a todos os pacientes; evidentemente, alguns pacientes apresentarão estes fenômenos com menor intensidade que outros. Tenha paciência que o seu organismo se encarregará de dissipar todos estes pequenos transtornos

O resultado compensa?

Cada caso, em particular, é analisado individualmente, durante a 1ª consulta e verificados os prós e contras e o resultado que pode-se alcançar que em geral são muito bons.