O desejo dos pacientes para parecerem mais novos, jovens e saudáveis, resultou na procura, por nós profissionais, de tratamentos seguros e eficazes que pudessem satisfazê-los. Importante salientar que muitos são atraídos por opções de rejuvenescimento não cirúrgicas. Trata-se de procedimentos minimamente invasivos, que visam restaurar proporções harmoniosas e, simultaneamente, protegem os tecidos da face. Além do mais, também observamos que os pacientes estão buscando sutis melhorias continuas e naturais. Dessa forma, acreditamos que isso só possa ser atingido através de um procedimento que respeite a anatomia e a beleza individual e trate as causas diretas dos sinais de envelhecimento relacionados com o tempo.

Hoje, com achados anatômicos recentemente descobertos e a experiência da última década com preenchimentos de acido hialurônico, entendemos como usá-los para corrigir as principais causas dos sintomas de envelhecimento visíveis, com o fim de obter uma harmonia geral.

A técnica utilizada baseia-se na compreensão da anatomia facial e dos mecanismos de envelhecimento. Houve uma mudança de um paradigma bidimensional para uma abordagem tridimensional a fim de abordar e compreender a face. Visa conferir volume ao tecido mole e tratar a atrofia da pele provocada por uma diminuição do fluxo sanguíneo no processo de envelhecimento.

A medicina antienvelhecimento cada vez mais tem focado em técnicas restauradoras desde a virada do milênio, o que nos permite começar a tratar as causas profundas, e não apenas os sintomas da perda de atratividade devido ao processo de envelhecimento. E o aumento de tecido mole minimamente invasivo com agentes de acido hialurônico foi a forma pioneira dessa inovação.

Hoje, técnicas de aumento de tecido mole profundo estão disponíveis, o que permite tratamentos para harmonizar os efeitos estruturais do envelhecimento em toda a face.

Em um segundo momento falaremos dos mecanismos de envelhecimento para que possamos entender o que são e como agem os preenchedores, se utilizando de técnicas minimamente invasivas.